sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Shatten: A delinquência sob o véu do heroísmo.

Shatten: A delinquência sob o véu do heroísmo.: Bruno Braga . O julgamento do mensalão desfiou parte do tecido que há décadas recobre a história do Brasil. Um véu artificiosamente...

“Provão” de jornalismo incorpora pauta do PT e vira lixo ideológico

“Provão” de jornalismo incorpora pauta do PT e vira lixo ideológico

terça-feira, 27 de novembro de 2012

O discurso pueril das cotas raciais

Fonte: http://cavaleiroconde.blogspot.com.br/2012/11/o-discurso-pueril-das-cotas-raciais.html


“Lei não se discute, se cumpre”, publica-se uma frase solta no facebook, junto com a imagem do Ministro Joaquim Barbosa, a respeito da legislação das cotas raciais. Não sei se a frase é do atual Presidente do STF. Acredito que não, porque o seu conteúdo é infeliz e estúpido, de estreito raciocínio jurídico. Se a lei for injusta, ela deve ser cumprida? Ela também não deve ser discutida?  Será que o suposto autor da frase conhece algo como “desobediência civil”? As piores e mais injustas leis estão justificadas pela sacralidade da vontade estatal. Os regimes totalitários agradecem pela ajuda.
Aliás, se as leis não fossem discutidas, não teríamos os Tribunais e o próprio STF, que no afã de agradar sensibilidades politicamente corretas, não apenas discutem, como distorcem e modificam dispositivos da legislação e da Constituição. A Carta Magna não apregoava que todos são iguais perante a lei? A “discussão” do Supremo mudou o sentido do art. 5 da CF. Alguns são racialmente mais iguais do que outros.
Quem diz que a lei deve ser cegamente cumprida, sofre de um sério transtorno de positivismo jurídico. De fato, a escola positivista do direito acabou com a mentalidade de uma boa parte dos juristas e advogados do país. A idéia tacanha de confundir a norma como um fim em si mesmo cria essa obediência cega às leis. Pouca gente parece questionar o conteúdo das leis. Se elas são um fim em si mesmo, cumpra-se. Elas podem ser arbitrárias, racistas, transgressoras da ordem social. Não importa. O acadêmico de direito brasileiro foi ensinado a crer que o Congresso Nacional e o STF são oráculos dos deuses. Virou um verdadeiro papagaio de pirata legal. Tal é o mal que Hans Kelsen fez às letras jurídicas do país.
Como o direito se confunde com a própria norma, isso cria um verdadeiro vazio no espírito das leis. As pessoas já esqueceram o direito natural e os princípios gerais do direito. A modinha agora é o tal “direito alternativo”, escola seguida pelo STF e pelo ativismo judicial. Se a lei não está conforme aos anseios das esquerdas militantes, o negócio mesmo é modificar o seu sentido, a sua interpretação, para agradar aos conchavos políticos dos ativistas.
Se o legalismo extremo leva à esterilização do direito, o ativismo judicial cria uma completa instabilidade jurídica. Quem fundamenta mais as leis não é o legislador, mediante o Congresso Nacional, a Assembléia Legislativa ou as Câmaras Municipais e sim o juiz ideológico, encharcado de Marx, Gramsci e Escola de Frankfurt na cabeça. Obviamente, se os juízes mudarem o sentido da lei, os papagaios de piratas jurídicos não vão fazer nada. Vão crer piamente que esse é o estado natural do direito, ainda que as próprias leis sejam modificadas ilegalmente no seu conteúdo.
Apesar de não confirmar quem expressou tais idéias do “cumpre-se a lei”, é possível confirmar o que o ministro Joaquim Barbosa pensa sobre as cotas. Ele tem uma opinião que é, no mínimo, espantosa e estarrecedora: ainda que seja bem sucedido, ele desconfia da capacidade intelectual dos negros. Nunca houve um disparate tão curioso entre a realidade e o discurso. Ele consegue tudo por conta de seu esforço e ainda acredita que os seus “irmãos de raça” devam ser paparicados pelo Estado, porque são incapazes?

Pior é Joaquim Barbosa dizer uma inverdade, no seu parecer favorável às cotas. Poderia acrescentar que sua declaração é intelectualmente desonesta. Ele diz que os críticos das cotas são “aqueles que se beneficiam ou se beneficiaram da discriminação da qual são vítimas os grupos minoritários”. Vamos analisar a seguinte lógica: se um brasileiro médio branco, mestiço ou negro for contra as cotas, é sinal de que ele foi beneficiado por um regime de discriminação? A argumentação é de um maniqueísmo fajuto. E porque as cotas é que são racistas e discriminatórias.
Por que será que os defensores das cotas, ao justificarem um ato  hediondo de discriminação legalizada, projetam a discriminação nos outros? As pessoas que criticam as cotas defendem justamente a igualdade de todos perante a lei, sem distinções de qualquer natureza, como está na Constituição Federal (ou, pelo menos, como ela está transcrita).
Há outra perversidade por trás da opinião pró-cotas: a defesa de uma ideologia racial. Quando se fala de desigualdade de brancos e negros, fala-se tão arbitrariamente de raças, ignorando a existência de indivíduos. Desenvolve-se a loucura de criar médias proporcionais equiparadas de negros e brancos nas universidades, quando na prática, se cria uma desigualdade entre indivíduos pela cor da pele. Na prática, idolatra-se a abstração da raça para ignorar o mérito, os engenhos e esforços pessoais de cada cidadão. Cria-se a desigualdade racial para impor uma abstrata equiparação racial, como se as raças fossem mais importantes do que as pessoas. Como se o mero fato de alguém entrar na universidade dependesse da cor da pele, e não dos conhecimentos demonstrados num vestibular. A visão é coletivista e totalitária, pra dizer o mínimo.
A desigualdade no Brasil não obedece a critérios raciais. Ou melhor, a desigualdade humana obedece a critérios dos mais vastos, que vão da competência, do mérito individual, da história, do caráter e da inteligência de cada um. É curioso que indivíduos com formação jurídica como o Sr. Joaquim Barbosa não nos apresentem um único exemplo concreto, racional ou visível de discriminação racial nos vestibulares ou escolas. Ou pior, apresentem exemplos tão genéricos e ralos de racismo, quando na verdade, ignorem outras variáveis muito mais importantes. Na crença do Ministro e seus acólitos, parece que a ascensão social no Brasil só se rege por um sistema de raças. As estatísticas que diferenciam negros e brancos nos números são meras abstrações. Não existe o branco e o negro das estatísticas, mas sim indivíduos, com históricos particulares de vida, quando inúmeras escolhas e talentos podem explicar sua ascensão social, sem a pecha da raça.
Cabe acrescentar que as estatísticas podem perfeitamente ser induzidas a justificar um fato inexistente. Muitos adoram alardear que a média dos brancos ganha mais do que a média de negros. Mas na prática é uma média geral, que compara a relação de todos os negros e todos os brancos, sem vincular outras diferenças, com o do lugar, das origens, das regiões, de educação etc. Inclusive, dentro desta matemática, descobriu-se que os pardos ganham menos do que os negros. Os negros são racistas por conta dessas diferenças?
Porém, se o branco pobre for comparado nas mesmas condições sociais do negro, se perceberá que ambos experimentam as mesmas dificuldades. Ou melhor, a proporção de brancos e negros pobres é praticamente a mesma. Se a lógica da desigualdade social das “raças” fosse aplicada literalmente como “prova” de uma sociedade racista, poderíamos afirmar que seríamos um país de japoneses e judeus racistas, o que seria ridículo. Os brasileiros judeus e os orientais experimentam um nível de vida e instrução maior do que a média nacional.
A ideologia das cotas raciais parte de mentiras históricas, estatísticas e sociais para se estabelecer nas leis e no judiciário. O ministro Joaquim Barbosa é um exemplo clássico do quanto vai de encontro com a própria realidade. Um homem negro bem sucedido que não acredita na capacidade intelectual de seus concidadãos. Que exemplo triste!

Mídia Católica (www.midiacatolica.org): As obras faraônicas nas favelas cariocas e o turis...

Mídia Católica (www.midiacatolica.org): As obras faraônicas nas favelas cariocas e o turis...: Há algum tempo nos habituamos a ver no Estado do Rio grandes obras direcionadas ao bem-estar da sua população em âmbito geral, como por ex...

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Marxismo Cultural: A mulher como vítima de engenharia social

Marxismo Cultural: A mulher como vítima de engenharia social: Por Richard Cassaro Algo está seriamente errado com as mulheres actuais. Se não notaste é porque não tens prestado atenção. As mul...

Conheca a história do campo de concentracão soviético Gulag

Julio Severo: Bispo da IURD ligado ao Mensalão

Julio Severo: Bispo da IURD ligado ao Mensalão: Bispo da IURD ligado ao Mensalão Julio Severo O Mensalão está nas manchetes, e um dos nomes envolvidos é o de Carlos Alberto Rodrigue...

.: Da revolta do homem moderno:

.: Da revolta do homem moderno:: O que é um comunista? Bem, é alguém que leu Marx e Lênin. Como é um anti comunista? É alguém que compreendeu Marx e Lênin. - Ronald R...

sábado, 24 de novembro de 2012

58 - As Novelas e a Engenharia Social

O maior africano de todos os tempos

Fonte: http://cavaleiroconde.blogspot.com.br/2012/11/o-maior-africano-de-todos-os-tempos.html


Se alguém me perguntasse qual foi personalidade mais admirável da África, contrariando todas as expectativas vigentes, eu diria na lata: Santo Agostinho! E seria diferente? Supor que uma cabeça influencie desproporcionalmente todas as estruturas políticas, intelectuais, filosóficas e literárias da civilização europeia e ocidental é algo para poucos. Seu legado pesa não somente aos católicos, mas aos protestantes e ao mundo como um todo. Só o Nosso Senhor conseguiu proeza maior, criando uma nova era e dividindo os séculos. Porém, Jesus Cristo é Deus. E Agostinho, o seu mero seguidor, inspirado nas palavras do Evangelho. O mundo seria bem pobre se não houvesse obras como “A Cidade de Deus” ou “Confissões”, um das maiores obras literárias e autobiográficas jamais escritas na história da literatura universal. A mais fantástica inteligência da Patrística é o maior africano de todos os tempos. Quem é que tem dúvida?
Pensemos no Mediterrâneo, não como uma divisão entre África e Europa, mas justamente o contrário, como uma interligação do Mare Nostrum romano entre dois grandes continentes. A África de Agostinho era uma extensão do Império Romano. Nem poderíamos dizer uma “extensão da Europa”, porque nem Europa existia tal como conhecemos. O Norte da África tinha a identidade romana, por um lado, e greco-egípcia, por outro. Já fora fenício e macedônio. Depois, tornou-se bizantino.
O Mar Mediterrâneo só separou a Europa da África com o islamismo. Comunidades cristãs desapareceram, ora pela força, ora pela assimilação. E a Europa cristã, acuada, atacada por todos os lados, tornou-se uma verdadeira fortaleza, por conta da perda do antigo mar.
 Para aqueles que criticam o “imperialismo” da Europa contemporânea, será que alguém se lembrou da “opressiva”  Roma que esmagou Cartago? Ou do Império Egípcio? Alguns militantes afro-racistas americanos adoram reverberar o mito de que os egípcios eram negros. Talvez tenham apagado a dinastia ptolomaica, descendente de um general de Alexandre o Grande. Cleópatra tinha sangue grego. Ou então a qualidade egípcia de ávidos escravistas malvados. O povo de Israel se libertou deles com grandes sofrimentos. Deus subjugou o Faraó. Alguém da militância afro sugestionou pagar alguma dívida histórica aos judeus?
A militância negra ficaria escandalizada ao escutar que Santo Agostinho é o melhor de todos os africanos. Admirar um cristão? Quer dizer que não admiro Mandela, Patrice Lumumba, Agostinho Neto, Mengistu Mariam ou Mugabe? Respondo com uma santa paz de consciência: Nem de longe! Essa gentalha comunista e tribal corrupta? Arruinaram a África, massacraram seus concidadãos em guerras civis fratricidas  mataram milhões de pessoas. É espantoso que os maiores ídolos da esquerda na África conseguiram ser, sob muitos aspectos, bem mais destrutivos do que o imperialismo europeu. A Europa, ao menos, trouxe algum tipo de prosperidade e civilização no meio da selvageria das disputas imperiais. Todavia, dentro das hostes das esquerdas, negros podem matar brancos e também negros. Eles têm passe livre para o genocídio, contanto que levantem a bandeira vermelha o discurso clichê da "libertação nacional". Sob os aplausos da intelligentsia. Resta saber quais "nações" existem que foram "libertadas", já que a guerra civil africana se resume a brigas de tribos que se odeiam. Quase todas viraram ditaduras comunistas. E a nacionalidade parece uma fictícia e estranha formalidade importada do mundo europeu. 
Será que os militantes negros brasileiros que idolatram essas criaturas bizarras já pensaram o quanto a África sangra de miséria, atraso e morte por causa desses tiranetes demagogos e assassinos em massa? Não é por acaso que Zumbi dos Palmares é idolatrado por essa gente. Um arremedo de líder tribal africano nas Américas e um tiranete dono de escravos é fonte de inspiração para eles. Quando algum individuo encharcado de ideologia afirmative action me diz que é “filho” de Zumbi, a pergunta que me surge na cabeça é: de que cemitério ele saiu?
Alguém se recorda do dia 13 de maio de 1888? Na minha época de adolescência era um feriado nacional. Inclusive, negros e pardos do início da República eram monarquistas fervorosos, por conta da Princesa Isabel de Bragança, a Redentora, que assinou a Lei Áurea e elevou os africanos do Brasil a status de súditos  livres.  Inclusive, o preço da liberdade dos escravos foi o golpe republicano e a perda da coroa. A princesa branca, loira, de olhos azuis, filha das Casas de Bragança e dos Habsburgo, fez mais pelos negros em um decreto do que Zumbi dos Palmares em toda sua vida. Um simples decreto de dois únicos artigos fez justiça a uma gente oprimida. “É extinta a escravidão no Brasil; revogam-se disposições em contrário”. Eis a pena dourada da liberdade.
Contudo, a militância negra tem um saco de pancadas para soltar pauladas: a presença européia na África. É como se o continente africano fosse lindo e maravilhoso antes da chegada dos europeus. A escravidão em massa anteriormente praticada pelos mercadores árabes foi totalmente esquecida, para não dizer ignorada e ocultada. Também pudera. Em épocas de apoio fanatizado à Palestina, quando comunistas sectários pregam a destruição do Estado de Israel, é claro que vão ocultar a podridão dos islâmicos. Aliás, até a escravidão de negros por negros também foi colocada debaixo do tapete. Negros sempre são bonzinhos; brancos são sempre malvadinhos. Isso consola a cabecinha dos primitivos maniqueus raciais. 
Os negros nunca são responsáveis pelos seus atos. Eles necessitam choramingar sobre um passado morto e enterrado, para justificarem seus fracassos. Precisam culpar um país inteiro por ações esquecidas e abandonadas. Necessitam culpar uma sociedade que lhes deu liberdade, algo ignorado na própria África. E a inoperância se torna raiva, ódio sistemático e organizado.
Ademais, a pobreza intelectual da militância negra é assustadora. Eles não conseguem ver valor algum na cultura, senão por esquemas mentais antropológicos e raciais. Na visão ideológica deles, os negros não devem criar artes, literatura ou música elevadas para alumiar a humanidade, mas tão somente para promover um sentimento tribal e ressentido de cor da pele. Por isso que muitos militantes negros são cultores de Rap e funk.
 Será que não conseguem criar algo mais além do que esses lixos musicais? Nem um Lupicínio Rodrigues, nem um Pixinguinha ou Cartola? O problema é que estes grandes compositores da música popular brasileira não cantavam pra exaltar o culto de uma raça ou etnia. Não faziam lamentos justificando sentimentos de inferioridade ou a vitimização da pobreza ou da raça negra. Falavam do amor, da paixão, da não-correspondência da relação entre homem e mulher. Talvez isso soe português demais, ibérico demais. No entanto, essa cantoria genuinamente africana de laços ibéricos vale bem mais do que os batuques dos delinquentes do rap ou do funk. Rap e funk é coisa de gente da cadeia. Até um brilhante músico, o padre mulato José Maurício Nunes Garcia, compositor de Dom João VI, salvaria a honra da africanidade brasileira.  Da parte dos afro-militantes, só resta silêncio.
O embusteiro deputado do PSOL, Marcelo Freixo, criou uma lei ridícula sobre o funk, elevando-o a patrimônio cultural no Rio de Janeiro. Um estilo musical medíocre, tocado em festas regadas à droga e prostituição, agora é reverenciado como cultura superior de favelado ou de negros. Coitado do negro e do favelado minimamente instruído!
O pior de tudo é alguém crer que Freixo seja algum exemplo de moralidade. Se o homenzinho nutre um gosto tão grotesco pela música, pela política não deve ser diferente. O PSOL não é exemplo de honestidade pra ninguém. Para um partido que faz apologia de dois terroristas italianos, como Cesare Batistti ou Achille Lollo, não me espantaria o porquê do funk ter sido reverenciado como cultura popular, através de uma lei imbecil. Esquerdismo, crime organizado e delinquência têm tudo a ver. E se a cultura negra pode ser rebaixada a este nível, é porque os pobres negros deste país estão no fundo do poço. Alguém já viu algum funqueiro minimamente alfabetizado? Ou que saiba cantar bem?
De uma coisa posso encerrar este artigo com orgulho: salvei a honra da África. Lembrar-se de Santo Agostinho é uma compensação que nenhuma cota racial, nenhuma cultura da “negritude”, nenhum batuque do “baile” funk pode nos dar.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

As Engrenagens da Liberdade, ilustrado

Aborto, Eutanásia, Ideologia de Gênero em debate na PM de São Paulo

A Nova Ordem Mundial: [ISRAEL E PALESTINA] Não há Clichê Jornalístico que Esconda a Realidade

A Nova Ordem Mundial: [ISRAEL E PALESTINA] Não há Clichê Jornalístico que Esconda a Realidade

Nova jazida americana de petróleo é o dobro de todas as reservas da OPEP

Nova jazida americana de petróleo é o dobro de todas as reservas da OPEP

A cada vinte casais, o Brasil perde um casal

A cada vinte casais, o Brasil perde um casal

A Nova Ordem Mundial: [CORRUPÇÃO] Gerente-Geral de Toxicologia da ANVISA é Exonerado por Denunciar Irregularidades

A Nova Ordem Mundial: [CORRUPÇÃO] Gerente-Geral de Toxicologia da ANVISA é Exonerado por Denunciar Irregularidades

Shatten: Agredidos pela tolerância.

Shatten: Agredidos pela tolerância.: Bruno Braga . No artigo “A juventude politizada” [1] observei que o processo de educação dos jovens está fundado em uma pedagog...

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

domingo, 18 de novembro de 2012

Carta de um Palestiniano que vive no Brasil

`CARTA DE UM PALESTINO´  (para reflexões)

    Amigos,
     
    Meu nome é Achmed Assef, sou palestino e vivo no Brasil atualmente.
     
    Desde que iniciou novamente os conflitos no Oriente Médio, não se fala em outra coisa a não ser nesta guerra infeliz que tanto vem fazendo vitimas dos dois lados.
     
    Nasci na Palestina, um pais que ainda não existe oficialmente e quando a situação ficou insustentável para minha família, tivemos o feliz e sagrado convite de um amigo de meus pais a virmos ao Brasil, e desde meus 5 anos de idade, moro neste lindo pais acolhedor.
     
    Quando digo que a situação na Palestina ficou insustentável, não estou me referindo aos inúmeros conflitos com o exercito de Israel ou os religiosos judeus que mantinham suas casas lindas em território palestino, e que hoje essas mesmas casas foram tomadas a força pelos terroristas, mas sim de uma insustentabilidade provocada pelos próprios "governantes" palestinos em todos esses anos.
     
    Para quem está no Brasil ou qualquer outro lugar do mundo, na segurança de seu lar e de sua vizinhança não vai conseguir imaginar nunca o que é viver em Gaza. Somente de lembrar minha breve infância nas cidades em que vivi, me da aperto no coração e vontade de chorar, porem, ninguém que esta no conforto de seus lares também recebendo milhares de informações, fotos e noticias do atual conflito pode imaginar também o que é sentir-se traído por aqueles que se intitulam lideres palestinos.
     
    Os lideres palestinos nunca quiseram um Estado. E eu posso falar isso em alto e bom tom, porque é uma verdade. Se quisesse teriam criado antes de 1948, quando ainda não existia o Estado de Israel, se quisessem o teriam feito em 48 também quando a ONU decidiu pela criação de dois Estados, mas nossos grandes Líderes preferiram incitar o povo a violência de lutar contra os judeus do local a fazer lobby por um Estado palestino viável.
     
    Não quiseram também os lideres palestinos quando os territórios, chamados "ocupados por Israel" e que hoje estão em sua grande maioria em nosso domínio, criar um Estado palestino. O que dizer então da mais recente escalada de violência, quando ocorreu a segunda intifada causada pelo grande líder Arafat que em 2000 rejeitou o melhor acordo de paz de todos os tempos propostos pelo premie israelense Ehud Barak e mais uma vez incitou o povo palestino a violência e a brutalidade através de homens-bomba, enquanto a família do Sr. Arafat vivia com regalias, mordomias e riquezas em Paris, tudo fruto de doações dignas estrangeiras mas que nunca chegaram ao povo sofrido da Palestina.
     
    Ao invés de comprar comida, água, remédios e oferecer uma vida digna e boa ao povo palestino, nossos lideres preferiram o caminho da violência, da brutalidade e da estupidez de promover o ódio e a discriminação contra o povo judeu, que se não são anjos, também não são demônios como pregam nossos lideres.
     
    As mesmas crianças que hoje morrem inocentemente no colo de suas mães, são as mesmas que recebem a criação e educação militar desde cedo a odiar Israel e o povo judeu, sabendo atirar com armas pesadas com menos de 5 anos de idade e ainda recebem a lavagem cerebral de se tornarem mártires explodindo-se para causar ainda mais vitimas do outro lado.
     
    Os lideres palestinos não possuem nenhum sentimento humanitário como se espera para uma população cansada e calejada de sofrimento. Pois se tivessem, não mandariam para o suicídio seus parentes e suas crianças, enquanto esses covardes assassinos escondem-se em outros paises ou ate mesmo utilizando escudos humanos dentro da população civil, como vemos hoje na faixa de Gaza.
     
    O Hamas, que há muito tempo vem promovendo barbáries dentro e fora de Gaza, desde que em seu único ato inteligente na historia, transformou-se em partido político somente para dar legitimidade ao seu terrorismo praticado diariamente nas ruas de Gaza, matou, perseguiu, torturou e aniquilou todos os "inimigos" do Fatah, o partido moderado que hoje é representado pelo incapaz Mahmoud Abbas.
     
    Senhores, como pode um grupo terrorista, dizendo-se líder do povo palestino matar nossos irmãos? Como entender que eles não estão defendendo nosso povo, mas sim seus próprios ideais que não refletem a opinião da maioria desse meu povo palestino? Matar palestinos somente porque não concordam com seus atos e idéias é arcaico e acima de tudo terrorista. Sobrou a Cisjordânia para o Fatah e que se não tomarem cuidado, servira de base para mais atos de violência dos terroristas do Hamas.
     
    Vocês podem argumentar que os terroristas do Hamas praticam atos sociais e de solidariedade, mas não acreditem em tudo que vêem na mídia e muito menos em tudo que ouvem. Para que vocês consigam compreender, faço uma analogia com os traficantes no Rio de Janeiro, pois é legitimo o que eles fazem? Aliciar crianças inocentes para o trafico de drogas, colocando armas pesadas em suas mãos? Acredito que não, mesmo que os traficantes promovam atos sociais e atos solidários com os moradores dos morros onde estão alojados. Continuam desrespeitando o direito de crianças crescerem com educação saudável e não para a guerra, como os terroristas do Hamas fazem hoje.
     
    Amigos brasileiros que tanto respeito e tanto quero bem, faço um apelo como palestino, como muçulmano, mas acima de tudo como um ser humano que não agüenta mais ver a ignorância e a falta de conhecimento por parte de muitas pessoas neste lindo Brasil:
     
    Parem de atacar Israel, parem de atacar os judeus e também parem de achar que o povo palestino é somente de terroristas. Há muita gente boa, inocente e que não quer mais conflitos com os israelenses e não os odeiam, assim como não odeiam os americanos.
     
    Muita gente la, incluindo minha família está cansada de tanta dor e sofrimento e sabemos que devemos ter uma convivência pacifica com Israel, afinal, é de Israel que vem nossa água, nossa comida, nosso trabalho e nosso dinheiro.
     
    Israel inclusive nos oferece ajuda militar sabiam? Quando houve acordo com a Autoridade Palestina no governo de Arafat, a policia de Israel treinou muitos de nossos homens que não queriam envolvimento com o conflito para que pudessem trabalhar na ordem de nossas cidades. Israel ofereceu treinamento para seus supostos inimigos, inclusive com armamento para que tivéssemos nossa própria segurança.
     
    Terroristas que tentaram e não conseguiram se explodir nas cidades de Israel, receberam atendimento medico nos hospitais israelenses!! E muitas das escolas em Israel promovem a educação igualitária com alunos palestinos e judeus, convivendo em perfeita harmonia e recebendo educação sadia e de respeito ao próximo. Diferentemente do que acontece em Gaza, por exemplo.
     
    Se nossos lideres não fossem tão burros e estúpidos, nosso povo sofrido não teria mais o que reclamar, pois em Israel estão as maiores oportunidades para um palestino que vive em gaza ou Cisjordânia e quem tem um mínimo de inteligência la sabe que não vai conseguir nunca varrer Israel do mapa ou exterminar todos os judeus, como apregoam certos lideres maníacos do nosso lado.
     
    Quanto ganharíamos se estivéssemos do lado de Israel e dos judeus? Por que aqui no Brasil a convivência entre os dois povos sempre foi motivo de orgulho e quando estamos em sociedade ganhamos em tudo?
     
    Meu tio recebeu visto de trabalho em Israel. Todos os dias levantava cedo e ia trabalhar em Israel e voltava de noite para sua casa em Gaza. Quando o Hamas tomou o poder à força e iniciou seus diários ataques as cidades israelenses, meu tio perdeu o emprego e a fronteira foi fechada. A culpa é de Israel? Do meu tio que nunca odiou os judeus? Não, a culpa é dos terroristas do Hamas. Meu tio hoje continua não odiando os israelenses nem os judeus. Vive na Síria, onde a situação não é das melhores, mas la não ha. grupos terroristas como o Hamas ou o Hezballah que somente acabam com a vida dos cidadãos de bem.
     
    O povo palestino foi expulso de diversos paises chamados "amigos dos palestinos", incluindo Jordânia, Líbano, Síria e Líbia. O Egito fecha sua fronteira com Gaza porque não nos querem por la, inclusive no tratado de paz com Israel, na devolução do Sinai ao Egito, foi oferecido por Israel devolver Gaza também e os egípcios não quiseram porque chamaram de terra sem lei e o pior lugar do mundo para se viver.
     
    Por que paises fortes e com um território gigantesco como Arábia Saudita, Jordânia, Irã e outros não tão grandes, mas muito ricos, como Kweit, Emirados Árabes ou Catar não nos recebem de braços abertos? Preferem somente financiar atentados terroristas e mandar todo seu dinheiro para lideres palestinos terroristas e que não pensam no bem estar da população, mas somente em enriquecimento próprio e incentivo ao ódio e intolerância?
     
    Por isso, meus amigos, escrevo esta mensagem. Sei que esta carta não vai fazer nenhum dos dois lados pararem com o atual conflito e muito menos mudar o pensamento dos lideres que hoje determinam o rumo do meu povo palestino, mas se servir para fazer o povo brasileiro pensar nisso e entender que não precisamos importar um conflito que não serve pra nada aqui e também para que todos vocês realmente entendam quem são os principais responsáveis pela matança generalizada que ocorre atualmente em Gaza, fico feliz.
     
    Israel não é culpado, esta se defendendo dos irresponsáveis lideres terroristas palestinos que diariamente ataca nosso vizinho com seus nada caseiros foguetes para depois se esconderem atrás de mulheres e crianças, colocando toda a culpa nos israelenses, enquanto esses terroristas que infelizmente também são palestinos covardemente se escondem em áreas altamente populosas para causar ainda mais mortes e ganharem fotos sensacionalistas nos jornais do mundo todo.
     
    O povo palestino também não é culpado, o povo palestino, tirando esses terroristas que são minoria quer a paz, quer o convívio pacifico com Israel e com os judeus. Quer uma vida digna e viver em seu território chamando-o de lar, sem precisar fugir para qualquer outro país maravilhoso como o Brasil como eu fiz, pois a Palestina é o melhor lugar para viver um palestino.
     
    Pensem nisso antes de escolher algum lado no conflito, mas acima de tudo, escolham o lado da paz, da tolerância e do respeito com quem quer que seja.
     
    Grato,
     
    Achmed Assef
    achmedassef@gmail.com
‎`CARTA DE UM PALESTINO´ (para reflexões)

Amigos,

Meu nome é Achmed Assef, sou palestino e vivo no Brasil atualmente.

Desde que iniciou novamente os conflitos no Oriente Médio, não se fala em outra coisa a não ser nesta guerra infeliz que tanto vem fazendo vitimas dos dois lados.

Nasci na Palestina, um pais que ainda não existe oficialmente e quando a situação ficou insustentável para minha família, tivemos o feliz e sagrado convite de um amigo de meus pais a virmos ao Brasil, e desde meus 5 anos de idade, moro neste lindo pais acolhedor.

Quando digo que a situação na Palestina ficou insustentável, não estou me referindo aos inúmeros conflitos com o exercito de Israel ou os religiosos judeus que mantinham suas casas lindas em território palestino, e que hoje essas mesmas casas foram tomadas a força pelos terroristas, mas sim de uma insustentabilidade provocada pelos próprios "governantes" palestinos em todos esses anos.

Para quem está no Brasil ou qualquer outro lugar do mundo, na segurança de seu lar e de sua vizinhança não vai conseguir imaginar nunca o que é viver em Gaza. Somente de lembrar minha breve infância nas cidades em que vivi, me da aperto no coração e vontade de chorar, porem, ninguém que esta no conforto de seus lares também recebendo milhares de informações, fotos e noticias do atual conflito pode imaginar também o que é sentir-se traído por aqueles que se intitulam lideres palestinos.

Os lideres palestinos nunca quiseram um Estado. E eu posso falar isso em alto e bom tom, porque é uma verdade. Se quisesse teriam criado antes de 1948, quando ainda não existia o Estado de Israel, se quisessem o teriam feito em 48 também quando a ONU decidiu pela criação de dois Estados, mas nossos grandes Líderes preferiram incitar o povo a violência de lutar contra os judeus do local a fazer lobby por um Estado palestino viável.

Não quiseram também os lideres palestinos quando os territórios, chamados "ocupados por Israel" e que hoje estão em sua grande maioria em nosso domínio, criar um Estado palestino. O que dizer então da mais recente escalada de violência, quando ocorreu a segunda intifada causada pelo grande líder Arafat que em 2000 rejeitou o melhor acordo de paz de todos os tempos propostos pelo premie israelense Ehud Barak e mais uma vez incitou o povo palestino a violência e a brutalidade através de homens-bomba, enquanto a família do Sr. Arafat vivia com regalias, mordomias e riquezas em Paris, tudo fruto de doações dignas estrangeiras mas que nunca chegaram ao povo sofrido da Palestina.

Ao invés de comprar comida, água, remédios e oferecer uma vida digna e boa ao povo palestino, nossos lideres preferiram o caminho da violência, da brutalidade e da estupidez de promover o ódio e a discriminação contra o povo judeu, que se não são anjos, também não são demônios como pregam nossos lideres.

As mesmas crianças que hoje morrem inocentemente no colo de suas mães, são as mesmas que recebem a criação e educação militar desde cedo a odiar Israel e o povo judeu, sabendo atirar com armas pesadas com menos de 5 anos de idade e ainda recebem a lavagem cerebral de se tornarem mártires explodindo-se para causar ainda mais vitimas do outro lado.

Os lideres palestinos não possuem nenhum sentimento humanitário como se espera para uma população cansada e calejada de sofrimento. Pois se tivessem, não mandariam para o suicídio seus parentes e suas crianças, enquanto esses covardes assassinos escondem-se em outros paises ou ate mesmo utilizando escudos humanos dentro da população civil, como vemos hoje na faixa de Gaza.

O Hamas, que há muito tempo vem promovendo barbáries dentro e fora de Gaza, desde que em seu único ato inteligente na historia, transformou-se em partido político somente para dar legitimidade ao seu terrorismo praticado diariamente nas ruas de Gaza, matou, perseguiu, torturou e aniquilou todos os "inimigos" do Fatah, o partido moderado que hoje é representado pelo incapaz Mahmoud Abbas.

Senhores, como pode um grupo terrorista, dizendo-se líder do povo palestino matar nossos irmãos? Como entender que eles não estão defendendo nosso povo, mas sim seus próprios ideais que não refletem a opinião da maioria desse meu povo palestino? Matar palestinos somente porque não concordam com seus atos e idéias é arcaico e acima de tudo terrorista. Sobrou a Cisjordânia para o Fatah e que se não tomarem cuidado, servira de base para mais atos de violência dos terroristas do Hamas.

Vocês podem argumentar que os terroristas do Hamas praticam atos sociais e de solidariedade, mas não acreditem em tudo que vêem na mídia e muito menos em tudo que ouvem. Para que vocês consigam compreender, faço uma analogia com os traficantes no Rio de Janeiro, pois é legitimo o que eles fazem? Aliciar crianças inocentes para o trafico de drogas, colocando armas pesadas em suas mãos? Acredito que não, mesmo que os traficantes promovam atos sociais e atos solidários com os moradores dos morros onde estão alojados. Continuam desrespeitando o direito de crianças crescerem com educação saudável e não para a guerra, como os terroristas do Hamas fazem hoje.

Amigos brasileiros que tanto respeito e tanto quero bem, faço um apelo como palestino, como muçulmano, mas acima de tudo como um ser humano que não agüenta mais ver a ignorância e a falta de conhecimento por parte de muitas pessoas neste lindo Brasil:

Parem de atacar Israel, parem de atacar os judeus e também parem de achar que o povo palestino é somente de terroristas. Há muita gente boa, inocente e que não quer mais conflitos com os israelenses e não os odeiam, assim como não odeiam os americanos.

Muita gente la, incluindo minha família está cansada de tanta dor e sofrimento e sabemos que devemos ter uma convivência pacifica com Israel, afinal, é de Israel que vem nossa água, nossa comida, nosso trabalho e nosso dinheiro.

Israel inclusive nos oferece ajuda militar sabiam? Quando houve acordo com a Autoridade Palestina no governo de Arafat, a policia de Israel treinou muitos de nossos homens que não queriam envolvimento com o conflito para que pudessem trabalhar na ordem de nossas cidades. Israel ofereceu treinamento para seus supostos inimigos, inclusive com armamento para que tivéssemos nossa própria segurança.

Terroristas que tentaram e não conseguiram se explodir nas cidades de Israel, receberam atendimento medico nos hospitais israelenses!! E muitas das escolas em Israel promovem a educação igualitária com alunos palestinos e judeus, convivendo em perfeita harmonia e recebendo educação sadia e de respeito ao próximo. Diferentemente do que acontece em Gaza, por exemplo.

Se nossos lideres não fossem tão burros e estúpidos, nosso povo sofrido não teria mais o que reclamar, pois em Israel estão as maiores oportunidades para um palestino que vive em gaza ou Cisjordânia e quem tem um mínimo de inteligência la sabe que não vai conseguir nunca varrer Israel do mapa ou exterminar todos os judeus, como apregoam certos lideres maníacos do nosso lado.

Quanto ganharíamos se estivéssemos do lado de Israel e dos judeus? Por que aqui no Brasil a convivência entre os dois povos sempre foi motivo de orgulho e quando estamos em sociedade ganhamos em tudo?

Meu tio recebeu visto de trabalho em Israel. Todos os dias levantava cedo e ia trabalhar em Israel e voltava de noite para sua casa em Gaza. Quando o Hamas tomou o poder à força e iniciou seus diários ataques as cidades israelenses, meu tio perdeu o emprego e a fronteira foi fechada. A culpa é de Israel? Do meu tio que nunca odiou os judeus? Não, a culpa é dos terroristas do Hamas. Meu tio hoje continua não odiando os israelenses nem os judeus. Vive na Síria, onde a situação não é das melhores, mas la não ha. grupos terroristas como o Hamas ou o Hezballah que somente acabam com a vida dos cidadãos de bem.

O povo palestino foi expulso de diversos paises chamados "amigos dos palestinos", incluindo Jordânia, Líbano, Síria e Líbia. O Egito fecha sua fronteira com Gaza porque não nos querem por la, inclusive no tratado de paz com Israel, na devolução do Sinai ao Egito, foi oferecido por Israel devolver Gaza também e os egípcios não quiseram porque chamaram de terra sem lei e o pior lugar do mundo para se viver.

Por que paises fortes e com um território gigantesco como Arábia Saudita, Jordânia, Irã e outros não tão grandes, mas muito ricos, como Kweit, Emirados Árabes ou Catar não nos recebem de braços abertos? Preferem somente financiar atentados terroristas e mandar todo seu dinheiro para lideres palestinos terroristas e que não pensam no bem estar da população, mas somente em enriquecimento próprio e incentivo ao ódio e intolerância?

Por isso, meus amigos, escrevo esta mensagem. Sei que esta carta não vai fazer nenhum dos dois lados pararem com o atual conflito e muito menos mudar o pensamento dos lideres que hoje determinam o rumo do meu povo palestino, mas se servir para fazer o povo brasileiro pensar nisso e entender que não precisamos importar um conflito que não serve pra nada aqui e também para que todos vocês realmente entendam quem são os principais responsáveis pela matança generalizada que ocorre atualmente em Gaza, fico feliz.

Israel não é culpado, esta se defendendo dos irresponsáveis lideres terroristas palestinos que diariamente ataca nosso vizinho com seus nada caseiros foguetes para depois se esconderem atrás de mulheres e crianças, colocando toda a culpa nos israelenses, enquanto esses terroristas que infelizmente também são palestinos covardemente se escondem em áreas altamente populosas para causar ainda mais mortes e ganharem fotos sensacionalistas nos jornais do mundo todo.

O povo palestino também não é culpado, o povo palestino, tirando esses terroristas que são minoria quer a paz, quer o convívio pacifico com Israel e com os judeus. Quer uma vida digna e viver em seu território chamando-o de lar, sem precisar fugir para qualquer outro país maravilhoso como o Brasil como eu fiz, pois a Palestina é o melhor lugar para viver um palestino.

Pensem nisso antes de escolher algum lado no conflito, mas acima de tudo, escolham o lado da paz, da tolerância e do respeito com quem quer que seja.

Grato,

Achmed Assef
achmedassef@gmail.com

Julio Severo: Alunos evangélicos sofrem intolerância ao se recus...

Julio Severo: Alunos evangélicos sofrem intolerância ao se recus...: Alunos evangélicos sofrem intolerância ao se recusarem a fazer trabalho sobre candomblé Professor obrigou alunos a tratar candomblé com...

.: A Farsa do Ativismo Gay no Brasil. Lula afaga o Ca...

.: A Farsa do Ativismo Gay no Brasil. Lula afaga o Ca...:     Sabe quem mandou enforcar esses homossexuais? Não foi nenhum cristão. Foi um amigo de Lula, o Presidente do Irã, Armadinejah. Ele...

Caio Fábio: o herético neo-panteísta

sábado, 3 de novembro de 2012

A evolução é um processo natural que corre ao revés

A evolução é um processo natural que corre ao revés

Julio Severo: Agências da ONU pedem que Dilma Rousseff criminali...

Julio Severo: Agências da ONU pedem que Dilma Rousseff criminali...: Agências da ONU pedem que Dilma Rousseff criminalize a “homofobia” Julio Severo O Grupo Temático Expandido em HIV/AIDS no Brasil (GT/...

O Haloween é uma festa pagã que os cristãos devem evitar?

O Haloween é uma festa pagã que os cristãos devem evitar?

Mídia Católica (www.midiacatolica.org): As desonestas lições pedagógicas da esquerda

Mídia Católica (www.midiacatolica.org): As desonestas lições pedagógicas da esquerda: A demagogia esquerdista é deveras indisfarçável.   Mentir para um esquerdista é um esporte, a começar por mentir a si mesmo, violando s...