sábado, 27 de dezembro de 2014

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Expedição descobre que imensa “ilha de lixo flutuante” era ficção ambientalista

http://ipco.org.br/ipco/noticias/expedicao-descobre-que-imensa-ilha-de-lixo-flotante-era-ficcao-ambientalista#.VIbLOsmHgUE

Era uma vez uma imensa ilha de lixo boiando no Pacífico. Apenas uma ilha? Um subcontinente! De acordo com o movimento ambientalista algo em torno  de 700.000 até 15 milhões de quilômetros quadrados, ou seja, uma ou duas vezes o tamanho dos EUA (cfr.: WIKIPEDIA Great Pacific garbage patch).
Carlos Duarte, responsável da expedição Malaspina: “Essa famosa ilha de plásticos não existe”
Carlos Duarte, responsável da expedição Malaspina: “Essa famosa ilha de plásticos não existe”.

Mas só uma ilha? Por que não várias,ou até muitas, intoxicando o maior oceano do mundo?
A corrida ao exagero nas denúncias de “catástrofes ecológicas” vão daí para pior.
A incomensurável “massa plástica” gerada pelo consumismo capitalista – porque afinal só ele poderia ter produzido semelhante monstro – teria seus equivalentes em outros oceanos e mares.
Peixes de variadas espécies morriam intoxicados e beiravam a extinção, os oceanos se acidificavam e perdiam o oxigênio, virando desertos líquidos povoados pela morte lá onde outrora houve simpáticos seres vivos.
Algo tão imenso e grave deveria ter sido visto por alguém em alguma parte, em algum momento e de alguma forma.
Mas, de fato, nunca foi visto, excetuadas imprecisas observações de viajantes ou esportistas. Nem mesmo os satélites conseguiam fotografá-lo. Para nossos incorrigíveis verdes, as características deste lixo colossal e assassino impediam as fotos.
As “Grande Ilha de Lixo do Pacífico” ou “Grande Sopa de Lixo do Pacífico” foi imaginada pela primeira vez em fevereiro de 2008 no site da BBC e no jornal britânico The Independent.
O aterrador espantalho foi glosado pela mídia sensacionalista, empenhada em espalhar cenários ambientalistas apocalípticos.
Mas ninguém nunca o tinha analisado, mesurado, fornecido um parecer científico ponderado. E os “verdes” nunca fariam uma coisa que esfriaria a fervura anticapitalista.
A espantosa imaginação motivou o Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC) da Espanha, a maior instituição pública do país, dedicada à investigação científica, e a terceira maior em importância da Europa.
Cientista da expedição Malaspina trabalhando
Cientista da expedição Malaspina trabalhando
O CSIC, então, arcou “o maior projeto interdisciplinar já feito sobre a mudança global”, de acordo com informação do jornal El País de Madri.
O orçamento total foi de seis milhões de euros, além das despesas com os navios oceanográficos da Marinha espanhola — o Hespérides e o Sarmiento de Gamboa.
O trabalho implicou a circunavegação do planeta entre 2010 e 2011 – 35.000 milhas náuticas – e foi batizado “projeto Malaspina”, lembrando a histórica expedição no século XVIII do cientista Alejandro Malaspina.
O oceanógrafo Carlos Duarte foi o principal responsável e apresentou os resultados da expedição a 80 cientistas reunidos especialmente em Barcelona no mês de setembro (2014)
“Essa famosa ilha de plásticos, supostamente entre a costa estadunidense de Oregon e o Havaí, não existe”, afirmou taxativamente Carlos Duarte.
Ele explicou que há cinco grandes acumulações de resíduos plásticos no oceano aberto, em zonas isoladas onde a circulação oceânica concentra a contaminação, mas que não é uma ilha, nem mesmo cinco ilhotas.
“Não é a tal ilha de que tanto se fala”, encerrou Duarte.
Percurso da expedicao espanhola
O oceanógrafo apresentou um diagnóstico da saúde dos mares de causar profundo desgosto aos apocalípticos verdes e de devolver o sono às pessoas sensatas.
Trata-se, somando e subtraindo, de boas notícias:
“O oceano global está melhor do que se achava, a capacidade de degradação dos contaminantes e plásticos é maior do que acreditávamos; as medusas não estão aumentando globalmente [como se temia em virtude do pânico da mudança climática]; a acidificação da água é menos severa em seus efeitos biológicos do que se pensava, e as reservas de peixes são entre 10 e 30 vezes superiores aos cálculos prévios, e não estão sendo pescadas”, disse.
O diagnóstico é francamente positivo, mas não quer dizer que não existam problemas. A ciência está ali para cuidar deles visualizando-os com objetividade e sem se deixar levar por “bichos-papões” verdes inventados em cômodos laboratórios de boatos políticos, ideológicos ou jornalísticos.
Outro dado positivo: a contaminação por resíduos plásticos é velha dos anos entre 50 e 80, e desde aquelas décadas não cresceu mais. Entrementes, o fabrico desses produtos aumentou muito, mas não a área prejudicada.
Duarte apresentou várias hipóteses: degradação intensiva por causa de microrganismos; fragmentação em partículas tão pequenas que fogem da medição, consumo animal, etc. “Não sabemos”, disse Duarte, enquanto explicava que “na realidade foi encontrado apenas 1% do que se dizia existir”.
O barco oceanográfico 'Hespérides' foi posto a disposição pela Marinha espanhola.
O barco oceanográfico ‘Hespérides’ foi posto a disposição pela Marinha espanhola.
Também as sondagens da biomassa de peixes em profundidades entre 400 e 700 metros, onde a luz solar não penetra, trouxeram surpresas positivas. “Trata-se de peixes de 5 a 20 centímetros de tamanho e muito mais abundantes do que se pensava, entre 10 e 30 vezes mais”.
“Acreditava-se que as águas nessas profundezas eram verdadeiros desertos e não é assim. A vida se esconde nas profundezas durante o dia e por volta de um terço desses peixes sobem à noite para se alimentar”, acrescentou.
A expedição Malaspina recolheu entre 4.000 e 5.000 amostras de material. Essas amostras estão agora armazenadas em quatro sedes principais: na Universidade de Cádiz, no Instituto de Ciencias del Mar (CSIC) de Barcelona; no Instituto de Investigaciones Marinas de Vigo e no Instituto de Diagnóstico Ambiental y Estudios del Agua, também do CSIC.
Duarte apresentou razões para o pessimismo ligadas à falta de cientistas habilitados para aproveitar toda a informação obtida.
É claro que os autoproclamados salvadores “verdes” dos oceanos não vão se apresentar para trabalhar. Aliás, nem se sabe se estão capacitados para fazê-lo.
Suas habilidades estão na agitação dos congressos mundiais ambientalistas e nos folgados escritórios burocráticos de ONGs, partidos de esquerda ou da ONU, além dos facílimos exageros midiáticos.
Há trabalho para muitos anos e faltam cientistas sérios, pois esses não recebem verbas ou ordenados proporcionados para fazer um estudo metódico visando ao bem dos oceanos e ao progresso da atividade humana.
Além do mais cientista sério comete com frequência o pior dos crimes para a Inquisição da religião neocomunista verde: diz coisas objetivas!

http://sociedad.elpais.com/sociedad/2014/09/16/actualidad/1410888404_398492.html

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Sobre Amazônia e o Alarmismo “Fantástico” – Por Ricardo Felício

http://fakeclimate.wordpress.com/2014/09/27/sobre-amazonia-e-o-alarmismo-fantastico-por-ricardo-felicio/

Publicado: setembro 27, 2014 em Arquivo BFC!
Tags:, , , , ,

4

Sr Gilvan Sampaio e o pessoalzinho do INPE continua mostrando claramente que não conhecem absolutamente nada de climatologia real, mas sim a climatologia imaginária ou surreal, e assim, só poderiam mesmo ser mostradas em matéria de Fantástico! A afirmação que diz que árvores bombeando umidade para a atmosfera na região Norte formarão chuvas na região Sudeste mostra o total despreparo sobre o assunto e já foi totalmente rechaçado pelos comentários do Prof. Dr. José Bueno Conti. Deve-se ressaltar ainda que, em primeiro lugar, por mais formidável que seja a evapotranspiração da floresta, ela é de duas a três ordens de grandeza inferior à que vem dos oceanos, através dos ventos Alíseos, com mudanças sazonais, e que transportam a verdadeira umidade para o continente, ocasionando fabulosas chuvas.
No giro que acompanha o anticiclone semi-permanente sobre o Sudeste do Brasil teremos o transporte de umidade para Sul e Sudeste, que também pode mudar sazonalmente e de ano para ano, ou se acoplarem com outros fluxos oriundos de Oeste da América do Sul. Desta forma, não foram as árvores que “fizeram” a chuva, mas o excesso de umidade presente na atmosfera que facilitou a formação de gotas e nuvens. Vale lembrar que em 2014, tais circulações e conexões foram muito intensas, ocasionando totais pluviométricos além da conta nos estados do Norte, que carregaram, em excesso, as bacias hidrográficas muito planas da região, as quais não conseguiram escoar e nem infiltrar tanta água. O caso extremo ocorreu no estado de Rondônia, quando nossos irmãos rondonianos (e rondonienses) ficaram totalmente vulneráveis à tanta água. Vale ressaltar que as inundações nada tiveram que ver com as novas barragens, como certo candidato à presidência afirmou. As enchentes ocorreram tanto à jusante, quanto à montante das mesmas, e o nível dos rios subiu até as marcas históricas, e em alguns lugares, pouco acima destas. Vale consultar o que disseram os meteorologistas do INMET, geógrafos e hidrólogos da região, como mostrou o documentário de Leo Ladeira, da TV Candelária, filiada da Record e que foram categóricos em suas explanações: o fenômeno pode ser raro, mas foi natural!
Cabe ressaltar ainda que os “estudos científicos” sobre estes “fatos” em que “árvore = chuva” já partem da década de 1970, quando Stephen Schneider programou, em seus absurdos modelos de computador, que exatamente “árvores = chuva”. O leitor deve ficar pasmo, mas cerca de 40 anos depois, a idiotice ainda permanece, de modo que os modelos climáticos desta gente ainda assumem que “árvores fazem chuva” e tal artifício falacioso ainda é usado, inclusive por certa candidata à presidência, como vi hoje em programa de entrevista. Se os modelos partem desta premissa, então fica claro para o bom entendedor que se não há árvore, não há chuva. Notem que a premissa está errada. Isto é falso! A árvore está lá porque chove!!! Senão, não teríamos secas sazonais na região da floresta amazônica!!! Estas secas ocorrem justamente pela ausência da circulação úmida oriunda do oceano, quando a Zona de Convergência Intertropical migra para o hemisfério Norte. Aqui também cabe o exemplo da serra do Mar que continua com seus mais de 2000mm de totais pluviométricos, mesmo com o pessoal aquecimentista e catastrofista falando que as chuvas diminuíram por causa de desmatamento na mata Atlântica. Absurdo! Lembro-me bem que, em início de 1986, a Polícia Militar do Estado de São Paulo, através do Grupamento de Radiopatrulhamento Aéreo realizou a hercúlea missão de lançar sementes devidamente preparadas de seu helicóptero Esquilo, designação Águia Uno, para ajudar no reflorestamento das encostas, dado que as mesmas estavam “desabando” por causa das chuvas, que no local são abundantes, com ou sem árvores. O reflorestamento foi realizado para ajudar a fixar o solo destas encostas, evitando deslizamentos e a nada “ecológica” pulverização de concreto.
Assim, o desserviço à Ciência climática continua de vento em popa, com a mesma força dos ventos Alíseos, os quais bombeiam toda esta umidade para dentro do nosso continente!

Ricardo Augusto Felicio
Prof. Dr. Climatologia

quinta-feira, 19 de junho de 2014

Revista The Lancet: O Flúor é uma Neurotoxina!

Revista The Lancet: O Flúor é uma Neurotoxina!

Leia mais: http://www.anovaordemmundial.com/2014/06/revista-the-lancet-o-fluor-e-uma-neurotoxina.html#ixzz355ipHWQU


Quem teria pensado que isto jamais aconteceria? Alguém na medicina tradicional e da literatura de revisão por pares e revistas científicas publicaria o 'impensável': que o flúor, o material que eles colocam no abastecimento de água municipal, supostamente para "proteger" os dentes das cáries, é uma neurotoxina. Uau! E parabéns aos médicos Philippe Grandjean, MD, e Philip Landrigan J, MD, dois pesquisadores que publicaram suas descobertas na revista The Lancet Neurology, Volume 13, Edição 3, Páginas 330 à 338, em março de 2014. [1]

No resumo publicado em seu artigo, se afirma que:


Deficiência do desenvolvimento neurológico, incluindo autismo, déficit de atenção e hiperatividade, dislexia, e outras deficiências cognitivas, afetam milhões de crianças em todo o mundo, e alguns diagnósticos parecem estar aumentando com freqüência ... Desde 2006, estudos epidemiológicos têm documentado seis  neurotoxicantes de desenvolvimento adicionais: manganês, o flúor, clorpirifós, diclorodifeniltricloroetano, tetracloroetileno, e os éteres difenil polibromados.
Provavelmente, nada mais pode confirmar isto como científica, demográfica, e terrível verdade! E todos, não apenas as crianças, estão pagando as consequências por todas as exposições químicas. Agora vamos ver se os Drs. Granjean e Landrigan terão a integridade científica para expor as neurotoxinas em vacinas pelo o que elas realmente são. Eu gostaria de dar-lhes uma referência por onde começar a procurar ideias: meu livro de 2013, Vaccination Voodoo, What YOU Don’t Know About Vaccines, disponível pelo site Amazon.com.

Nesse livro eu também menciono o flúor. Por quê? Porque o que não está documentado pelas revistas de "ciência" de revisão por pares é a interação química entre o flúor e neurotoxinas de vacinas e outros produtos químicos em vacinas. Adicione a essa lista, os produtos químicos que somos forçados a comer na nossa alimentação, principalmente o glifosato proveniente da pulverização excessiva de culturas geneticamente modificadas, como milho, beterraba, soja, canola, alfafa de alimentação animal e, possivelmente, abóbora e batatas.

Acrescente a isso todos os herbicidas, fungicidas, pesticidas, etc, que são pulverizados em frutas, legumes e ração animal que entraram na cadeia alimentar há MUITO tempo. Para mais informações sobre esses "...CIDAS", que se destinam a matar as formas de vida, os leitores e os médicos podem querer ler o meu livro de 2010 Our Chemical Lives And The Hijacking Of Our DNA, A Probe Into What’s Probably Making Us Sick, também disponível pelo site Amazon.com.

Qualquer substância química cujo objetivo seja matar uma forma de vida deve ser considerada como uma neurotoxina, disruptor endócrino, ou cancerígeno - no mínimo - na minha opinião, como um pesquisador de saúde do consumidor por quase 37 anos.

Sem desviar da importância deste artigo sobre o flúor, mas os EUA (e o Brasil) pode colocar uma nação de volta ao trabalho da limpeza do ambiente da toxicidade uma vez que as indústrias químicas e farmacêuticas estão as expondo para o que elas realmente são: Biohazards!

Aqui está um pequeno vídeo do YouTube sobre a fluoretação da água em outro países.


De acordo com o British Fluoridation Society em novembro de 2012 [2], os seguintes países que fluoretizam porções em sua população:

Argentina    19%
Austrália    80%
Brasil       41%
Brunei       95%
Canadá       44%
Chile        70%
Fiji         36%
Guatemala    13%
Guiana       62%
Hong Kong    100%
República Irlandesa 73%
Israel       70%
Líbia        22%
Malásia      75,5%
Nova Zelândia 61%
Panamá       15%
Papua Nova Guiné 6%
Peru         2%
Sérvia       3%
Singapura    100%
Coreia do Sul 6%
Espanha      11%
Reino Unido  11%
EUA          64%
Vietnã       4%

Então, o que a adição de flúor às fontes de água municipais tem feito para a saúde humana? Não muito, exceto causar problemas de saúde [3], incluindo:

* Um estudo de Harvard mostra que o flúor reduz o QI em crianças. [4] [6]

* Doença óssea incapacitante, ou seja, fluorose óssea [5]

* Fluorose dental severa, em vez de proteger os dentes. Se você não sabe o que se parece, aqui está um link mostrando a fluorose dental.

Alguém poderia pensar que, com a publicação de 2010 de que o QI das crianças são  impactados negativamente que os governos federais, estaduais e municipais teriam parado a fluoretação da água municipal imediatamente. Não! eles não pararam, e agora é 2014. Isso significa que a fluoretação da água tem um propósito que não está sendo reconhecido? Poderia ser o deliberado emburrecimento da população mundial? Ou, poderia ser para fazer mais negócios para dentistas, médicos e indústria farmacêutica? O que você acha?

Referências: 

[1] The Lancet Neurology: Neurobehavioural effects of developmental toxicity
[2] Fluoride Alert: Countries that fluoride their water
[3] Fluoride Alert: Health Effects
[4] Mercola: Harvard Study Finds Fluoride Lowers IQ
[5] Wikipedia: Skeletal Fluorosis
[6] EHP: Developmental Fluoride Neurotoxicity: A Systematic Review and Meta-Analysis (PDF)

Leia mais: http://www.anovaordemmundial.com/2014/06/revista-the-lancet-o-fluor-e-uma-neurotoxina.html#ixzz355jfLtqe

As quatro toxinas mais perigosas para o cérebro

O Brasil super-rico de potencialidade energéticabr /tornar-se-á um “sem-energia”?

O Brasil super-rico de potencialidade energéticabr /tornar-se-á um “sem-energia”?

quarta-feira, 23 de abril de 2014

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Estudo da Universidade Harvard Relaciona o Flúor na Água com o Autismo, Desordens Mentais e TDAH

http://www.anovaordemmundial.com/2014/02/pesquisa-da-universidade-de-harvard-faz-ligacaoo-entre-fluor-e-autismo-desordens-mentais-e-tdah.html

A principal causa de TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e hiperatividade) e autismo em crianças podem ser os produtos químicos escondidos à espreita nos alimentos que comemos, a água que bebemos e os produtos que consumimos, diz um novo estudo publicado recentemente na revista The Lancet

Pesquisadores da Escola de Saúde Pública de Harvard (HSPH) e da Escola de Medicina Icahn no Monte Sinai (ISMMS) constatou que, entre outras coisas, os produtos químicos do flúor adicionado a muitos sistemas públicos de água na América do Norte contribuem diretamente para ambos os transtornos mentais e comportamentais em crianças.

Com base pesquisa anterior, publicada em 2006, que colocou o flúor como "um neurotóxico de desenvolvimento", a nova revisão incluiu uma meta- análise de 27 estudos adicionais sobre o flúor, a maioria dos quais eram da China (veja nosso artigo a respeito de um destes estudos), que ligava a substância química com QIs reduzidos em crianças. Após análise minuciosa, foi determinado que o fluoreto impede o desenvolvimento adequado do cérebro e pode levar a transtornos do espectro do autismo, dislexia, TDAH e outras condições de saúde, uma " epidemia silenciosa" que muitas autoridades de saúde tradicionais continuam a ignorar.


De acordo com os dois principais pesquisadores envolvidos no estudo, Philippe Grandjean de Harvard e Philip Landrigan, a incidência de transtornos de neurodesenvolvimento relacionados a produtos químicos dobraram nos últimos sete anos, de seis para 12. A razão para isto é que um número crescente de produtos químicos em sua maioria não testados estão sendo aprovados para uso sem o público ser informado onde e em que quantidades esses produtos químicos estão sendo utilizados.

"Desde 2006, o número de produtos químicos conhecidos por danificar o cérebro humano de modo mais geral, mas que não são regulamentados para proteger a saúde das crianças, tinha aumentado de 202 para 214", escreve Julia Medew para o jornal The Sydney Morning Herald. "O par de pesquisadores disseram que isso pode ser apenas a ponta do iceberg, porque a grande maioria dos mais de 80.000 produtos químicos industriais largamente utilizados nos Estados Unidos nunca foram testados para os seus efeitos tóxicos sobre o feto ou criança em desenvolvimento".

Nota blog Anti-NOM: obviamente que a situação no Brasil não é nada melhor. Os EUA diminuíram o limite de flúor na água potável, enquanto no Brasil o limite permaneceu alto.

O flúor deve ser imediatamente removido do abastecimento público de água para a segurança infantil.

Enquanto pesticidas dominaram lista da dupla como os produtos químicos mais difundidos e prejudiciais cuja presença d público em grande parte desconhece, o flúor, que é intencionalmente adicionados à água de abastecimento público como um suposto protetor contra a cárie dentária, também é altamente problemático. Também é amplamente ignorado pelas autoridades de saúde pública como um possível fator de problemas de desenvolvimento na infância, mesmo que a ciência seja clara sobre seus perigos.

Como o chumbo, alguns solventes industriais e produtos químicos de plantações, o flúor é conhecido por se acumular na corrente sanguínea humana, onde ele eventualmente se deposita nos ossos e outros tecidos corporais. Em mulheres grávidas, isto também inclui a passagem através da corrente sanguínea para a placenta, onde em seguida se acumula nos ossos e tecido cerebral de bebés em desenvolvimento. Os efeitos disso são, é claro, perpetuamente prejudiciais, e algo que as autoridades reguladoras precisam levar mais a sério.

"O problema é de âmbito internacional, e a solução deve, portanto, ser também internacional", afirmou Grandjean em um comunicado à imprensa, pedindo melhoria dos padrões regulamentares para produtos químicos comuns. "Temos os métodos prontos para testar produtos químicos industriais sobre os efeitos nocivos no desenvolvimento do cérebro das crianças - agora é a hora de fazer com que o teste seja obrigatório. "

Para saber mais sobre os perigos do flúor e a ciência que mostra como ele é prejudicial e nada benéfico para os dentes, não deixe de verificar os artigos e documentários abaixo:

Leia mais: 

Estudo: Exposição ao Flúor pode Reduzir a Inteligência das Crianças

Fontes:
- Natural News: Harvard research links fluoridated water to ADHD, mental disorders
- [ESTUDO] Neurobehavioural effects of developmental toxicity

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Julio Severo: Ariovaldo Ramos na Igreja Batista da Lagoinha

Julio Severo: Ariovaldo Ramos na Igreja Batista da Lagoinha:



Preces da esquerda evangélica estão sendo ouvidas…

Julio Severo
“Com o objetivo de mobilizar a igreja brasileira a enviar e investir em seus missionários,” a Igreja Batista da Lagoinha realizará a Conferência Povos e Línguas “Por um Brasil Missionário!” nos dias 5 e 6 de abril de 2014.
O principal palestrante será Ariovaldo Ramos.
Ariovaldo Ramos
Nunca li um artigo ou vi vídeo de Ariovaldo chorando pelas almas perdidas. Mas ele chorou a morte do ditador comunista Hugo Chávez, dizendo: “O melhor que se pode dizer de alguém é que, porque ele passou por aqui, o mundo ficou melhor! Isso se pode dizer de Hugo Chávez!”
Ariovaldo conhece missões? Sim, somente nos tempos em que ele não estava ligado à Teologia da Missão Integral (TMI). Depois de aprender com Caio Fábio um novo tipo de missão, a TMI, ele viajou duas vezes à Venezuela para dar apoio a Chavez, que ele conheceu pessoalmente.
Da boca de Ari, Chavez não precisava ouvir sobre arrependimento e inferno nem que ele, com sua ideologia comunista, estava tornando a Venezuela e o mundo lugares piores. Definitivamente, não! Na atual visão missionária de Ari, Chavez deixou o mundo muito melhor.
O que a Igreja Batista da Lagoinha pretende com a presença de Ari como “mestre de missões”? Aprender a transformar o mundo “num lugar melhor”? Ah, essa é a especialidade do Ari! Afinal, ele sabe que a TMI tem bom diálogo e comunhão com o marxismo. Além disso, ele tem as conexões certas para ajudar a Lagoinha.
Em fevereiro de 2013, Ari, como representante da Aliança Evangélica, esteve com Gilberto Carvalho, do governo do PT. O motivo da reunião foi uma parceria entre evangélicos e PT.
Esse alinhamento “missionário” é muito mais profundo. Quando o PT, com todas as esquerdas do Brasil, fez oposição em massa a Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, Ari assinou um manifesto contra Feliciano.
O que a Igreja Batista da Lagoinha pretende aprender de Ari? Oposição “missionária” aos cristãos conservadores que combatem a agenda de aborto e sodomia?
Por que a Igreja Batista da Lagoinha quer seguir os passos de Ari, agindo como maria-vai-com-as-outras?
Ari tem sido um proeminente “apóstolo” da TMI em igrejas mais tradicionais que rejeitam os dons sobrenaturais do Espírito Santo. Ele tem sido estrela em igrejas presbiterianas. Ele tem sidodestaque na Universidade Mackenzie e outros eventos presbiterianos. Ari no Mackenzie não é nenhuma novidade. Ali ele está em casa. Mas na Lagoinha também?

Ai dos apóstolos, não da TMI

Por falar em Mackenzie, seu ex-chanceler, acompanhado de Paulo Romeiro (professor do Mackenzie), foram os principais palestrantes do “Café Teológico,” patrocinado pela Editora Vida Nova. Não, não. Os dois não trataram da TMI nem denunciaram Ari e outros que a apregoam e promovem no Mackenzie.
O ex-chanceler ficou com o tema “Apostolado no Brasil: Uma análise do movimento apostólico no Brasil.” Em vez de se preocupar com a TMI, que grandemente afeta os quintais calvinistas e já está contaminando outros quintais, sua preocupação foi com evangélicos que usam títulos de apóstolos.
Ora, já que títulos são um problema mais importante do que a TMI, vamos ao caso.
Num exemplo muito simples, o título “reverendo” é aplicado a líderes das igrejas presbiterianas e reformadas. O Dicionário Aurélio diz que o significado de “reverendo” é: “que merece reverência.”
Do ponto-de-vista da Bíblia, nenhum cristão está mais bem preparado só porque fez cursos de pós-graduação, pós-doutorado, pós-mestrado, etc., pois segundo Efésios 4:11-12, os cinco dons ministeriais são dados por Deus e não por uma faculdade ou universidade. Além disso, os doutores em teologia foram os mais criticados por Jesus.
Hoje, Jesus não agiria diferente. Depois de tantos pós disso e pós daquilo, o que os “mestres” e “doutores” em teologia fazem de melhor é blasfemar contra o Espírito Santo com suas heresias cessacionistas e colaborar com o liberalismo teológico da TMI.
Ainda assim, esses homens mortais portadores de diplomas de doutores em teologia são tratados com real “reverência.” Se eles, que são meros seres humanos, se ofendem espalhafatosamente com títulos como apóstolo e profeta, apropriados para serem usados para pessoas, como deveria Deus expressar seus sentimentos quando um homem usa o título de “reverendo,” que deveria pertencer somente a Ele?
O próprio Jesus Cristo nos alertou sobre títulos:
“Eles preferem os melhores lugares nos banquetes e os lugares de honra nas sinagogas. Gostam de ser cumprimentados com respeito nas praças e de ser chamados de ‘mestre’. Porém vocês não devem ser chamados de ‘mestre’, pois todos vocês são membros de uma mesma família e têm somente um Mestre. E aqui na terra não chamem ninguém de pai porque vocês têm somente um Pai, que está no céu. Vocês não devem também ser chamados de ‘líderes’ porque vocês têm um líder, o Messias. Entre vocês, o mais importante é aquele que serve os outros.” (Mateus 23:6-11 NTLH)
Em nossos dias, Jesus poderia igualmente nos avisar: “E aqui na terra não chamem ninguém de ‘reverendo’ porque há somente um que merece reverência e Ele está no céu”.
Por isso, um tema muito mais relevante e necessário seria: “’Apóstolos’ da TMI no Brasil: Uma análise do movimento esquerdista entre os evangélicos do Brasil.” Fica a sugestão para o “reverendo” e “doutor” Nicodemus.
Por que a Editora Vida Nova patrocina um evento contra o movimento apostólico, mas não faz o mesmo patrocínio contra a TMI deixa de ser um mistério quando vemos que o site Teologia Brasileira, que pertence à editora, abriga conhecidos “apóstolos” da TMI.

Ai dos ídolos dos outros…

No “Café Teológico,” Paulo Romeiro também não quis tratar da TMI. Coube a ele o tema “Ídolos Evangélicos: O culto à personalidade, como os evangélicos constroem seus ídolos.” Longe de mim dizer que esse é um problema que não precisa ser tratado, mas vamos lidar com nomes mais ligados à realidade do quintal de Romeiro e Nicodemus: o Mackenzie ou, mais especificamente, sua dona, a Igreja Presbiteriana do Brasil. Nos tempos em que Caio Fábio não havia caído em adultério e escândalos financeiros, não me lembro de Romeiro ou Nicodemus denunciando em livros que Caio Fábio havia se tornado o maior ídolo evangélico da história do Brasil. Não me lembro deles se queixando do “culto à personalidade de Caio,” nem de como a IPB construiu esse ídolo.
Não me lembro também de Romeiro denunciando Caio Fábio como o maior promotor da TMI no Brasil. Se ele não quer tratar de questões passadas, então vamos lá: não me lembro dele denunciando Bishara Awad, que esteve dando palestra “apologética” na igreja dele em maio de 2013. Awad tem sido denunciado pelo WND, um dos maiores portais conservadores do mundo, como um ativista palestino cuja mensagem está estreitamente ligada à Teologia da Libertação Palestina. Como é que um promotor dessa teologia é promovido por um professor do Mackenzie?
Não me lembro também de Romeiro denunciando o cessacionismo como heresia. Se fosse difícil fazer isso, o teólogo calvinista Vincent Cheung nunca teria afirmado que o cessacionismo é uma doutrina falsa e que os teólogos cessacionistas são representações de Satanás.
Dá até para entender que líderes ligados ao Mackenzie não tenham visão para enxergar a gravidade da TMI e os perigos “missionários” da ideologia de Ari. Afinal, muitos deles são cessacionistas, isto é, rejeitadores dos dons sobrenaturais do Espírito Santo. Daí, são cegos e surdos espirituais.
Por outro lado, a Igreja Batista da Lagoinha e especialmente Ana Paula Valadão é criticada há muito tempo por crer nesses dons. Ela é criticada por líderes cessacionistas que perdoam qualquer coisa de Ari e sua TMI, mas nada perdoam da Lagoinha.

Pior: cheirar ou simular, eis a questão

Quando o Pr. Lucinho Barreto, que tem um ministério voltado aos jovens na Igreja Batista da Lagoinha, “cheirou a Bíblia” meses atrás, houve um “escândalo” nacional, com muitos chamando-o de “herético” e dizendo que ele estava “envergonhando” o Evangelho. Pelo menos para mim, deu para entender que o pastor não estava com a intenção nem de profanar a Bíblia nem de defender o uso de drogas, mas estava apenas usando a simulação com a Bíblia para dar aos jovens a mensagem de que a Bíblia deve ser sempre consumida. Se o uso desse tipo de simulação é correto ou não, deixo para critério do leitor.
Pr. Lucinho cheirando a Bíblia
Quando Ari e seus colegas da TMI defenderam as drogas (não a mera simulação) em junho de 2013, houve algumas queixas aqui e ali, mas nada de escândalo nacional. A reação à simulação do Pr. Lucinho foi muito mais pesada do que a reação à defesa do uso de drogas feita por Ari.
A ala da TMI e simpatizantes não poupou críticas ao Pr. Lucinho. Renato Vargens, um pastor viciado em localizar e fabricar apostasias em pentecostais e neopentecostais, disse que a simulação do pastor da Lagoinha foi uma “vergonha” para o Evangelho. Sobre Ari e sua defesa das drogas? Vargens ficou de bico fechado.
Então, o que a Igreja Batista da Lagoinha pretende aprender de Ari? Amansar as incessantes críticas da ala da TMI? Esse é um resultado inevitável. Quando a Lagoinha realizou no ano passado um congresso sobre missão integral, um conhecido blog calvinista “apologético,” que sempre ataca neopentecostais e seus dons sobrenaturais, pulou de alegria com o evento da igreja batista neopentecostal.
Na época, eu perguntei: “O que virá depois? Vargens pregando em culto na Lagoinha? Ariovaldo Ramos dando palestra no próximo Congresso de Missão Integral ali? Danilo Fernandes, o dono do Genizah, ensinando ‘apologética’ na escola dominical da Lagoinha?”
Agora, só faltam Vargens e Danilo.
Há caminhos melhores para se aprender a fazer missões? Sem dúvida: a igreja apostólica original. Os apóstolos oravam e o Espírito Santo dirigia:
“Na Igreja em Antioquia havia profetas e mestres: Barnabé, Simeão, conhecido por seu segundo nome, Niger, Lúcio de Cirene, Manaém que era irmão de criação de Herodes, o governador, e Saulo. Enquanto serviam, adoravam e jejuavam ao Senhor, o Espírito Santo lhes ordenou: ‘Separai-me, agora, Barnabé e Saulo para a missão a qual os tenho chamado.’” (Atos 13-1-2 KJA)
No caso de Ari, o que a Igreja Batista da Lagoinha vai aprender com ele agindo como maria-vai-com-as-outras? Tudo o que Ari aprendeu — inclusive confundir Evangelho com ideologia socialista e alianças com o PT — veio de seu pai espiritual, Caio Fábio.
De acordo com Caio Fábio, o ex-chanceler do Mackenzie parece ter dito que a igreja brasileira ainda precisa dele . Prova disso é que o Mackenzie está aberto para o maior filho espiritual dele.
Para quem não gosta de evidências e da voz do Espírito Santo, é perfeitamente natural ser enganado.
Estou apresentando algumas evidências, com links. Se a Igreja Batista da Lagoinha tem dúvidas, por que não recorre ao Espírito Santo? Por que não deixá-lo falar? Por que abraçar a TMI, que tem tudo a ver com a ideologia marxista e nada a ver com o Evangelho?

C. Peter Wagner: o maior combatente contra o liberalismo teológico da TMI

Não sou o primeiro evangélico a alertar sobre os perigos da TMI. O Dr. C. Peter Wagner tem experiências de décadas contra essa teologia. Aliás, ele escreveu o prefácio do meu e-book sobre esse assunto, com as seguintes palavras:
“É muito importante se conscientizar das invasões que a ideologia marxista tem feito em alguns ramos do Cristianismo. Na América Latina, o conceito de aparência bonita chamado de misión integral (missão integral) se revelou no final como uma plataforma sutil para políticas esquerdistas. Julio Severo compreende isso e desmascara de forma habilidosa essas ideias potencialmente prejudiciais em seu livro, Teologia da Libertação versus Teologia da Prosperidade. Nesse livro, ele ajuda a revelar a realidade que dá para se produzir com eficácia mudança social ainda mais profunda e mais permanente da pobreza para a prosperidade proclamando-se e praticando-se a doutrina bíblica do Reino, abrindo a porta para o poder transformador do Espírito Santo. Este é um livro que muito recomendo!”
Para quem quer ler e divulgar meu e-book, siga este link para mais informações:http://bit.ly/141G7JH
Por mais de 40 anos, C. Peter Wagner tem combatido a Teologia da Libertação e sua versão protestante, a TMI. Hoje, ele ocupa posição proeminente no movimento apostólico. Não é à toa pois que os adeptos e simpatizantes da TMI sejam os maiores inimigos do movimento apostólico, especialmente de C. Peter Wagner.
Augustus Nicodemus, que se retrata como combatente contra o liberalismo teológico, é incapaz de atacar frontalmente tal liberalismo na TMI e citar seus promotores. Mas cita com facilidade Peter Wagner em ataques ao movimento apostólico, cujo maior líder é o maior combatente contra a TMI. Assim, quem deveria ajudar, atrapalha — mas não atrapalha Ari no Mackenzie!
Entretanto, é de estranhar que a Lagoinha, que aceita apóstolos, esteja se aliando à teologia-ideologia mal-intencionada de seus críticos.

O feitiço e a síndrome da maria-vai-com-as-outras

Claro que se a Lagoinha estiver se aproximando da TMI como estratégia para acalmar os ânimos dos críticos calvinistas cessacionistas ou obter algumas vantagens político-financeiras, Ari tem experiências “missionárias” de sobra nessas áreas.
Depois do aprendizado, não estranhe se, a exemplo de Ari chorando por Chávez, a Igreja Batista da Lagoinha chorar a morte vindoura de Fidel Castro, dizendo, junto com a ala da TMI, que ele deixou o mundo melhor.
Não estranhe também se famosos calvinistas cessacionistas, ferrenhos inimigos dos neopentecostais e ferrenhos amigos da TMI e seus simpatizantes, riscarem a Lagoinha da lista negra, de modo que nunca mais ouviremos Vargens ou outros calvinistas se queixando das experiências sobrenaturais de Ana Paula Valadão.
Se posso parafrasear um recado de Deus, digo:
“Ó insensatos líderes da Igreja Batista da Lagoinha! Quem vos enfeitiçou? Ora, não foi diante dos vossos olhos que Jesus Cristo foi exposto como crucificado? Quero tão-somente que me respondais: Foi por intermédio da Teologia da Missão Integral que recebestes o Espírito Santo, ou pela fé naquilo que ouvistes? Estais tão enlouquecidos assim, a ponto de, tendo começado pelo Espírito de Deus, estar desejando agora vos aperfeiçoar por meio do mero esforço humano? É possível que vos tenha sido inútil sofrer tudo o que sofrestes? Se é que isso foi por nada! Aquele que vos dá o seu Espírito, e que realiza milagres entre vós, será que assim procede pela Teologia da Missão Integral, ou por meio da fé com a qual recebestes a Palavra?” (Gálatas 3:1-5 KJA)
Talvez tenham sido enfeitiçados ou coisa pior. Nesta altura, dá para desconfiar se a atitude do Pr. Lucinho de “cheirar a Bíblia” tenha sido mesmo simulação ou não. Se não foi, isso explica a razão de ele e a Lagoinha estarem cheirando as drogas da TMI.
Do contrário, como a Igreja da Lagoinha quer o “objetivo de mobilizar a igreja brasileira a enviar e investir em seus missionários” se enchendo da teologia-ideologia de Ari? Exatamente do jeito que a esquerda gosta: com a cabeça cheia de drogas.
Querem ajudar os pobres e necessitados? A Igreja Cristã tem feito exatamente isso por dois mil anos, sem nenhuma necessidade de recorrer ao socialismo e outra ideologias.
Será que é um mistério que os apóstolos originais de Jesus tenham ajudado os pobres sem terem conhecido a TMI? Então por que se encher agora de uma teologia-ideologia que chora por ditadores comunistas e cria pregadores que os exaltam como criaturas que deixam o mundo melhor?
Leitura recomendada:

Como tornar-se um leitor inteligente - Olavo de Carvalho

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Garrafa transforma água em desinfetante natural

http://ciclovivo.com.br/noticia/garrafa-transforma-agua-em-desinfetante-natural


Uma garrafa capaz de transformar água em ozônio, para limpar superfícies, é a aposta da empresa Franke. A ideia é substituir os produtos convencionais utilizados em limpezas, que possuem muitas substâncias químicas agressivas à saúde humana.
Batizado de Eco3Spray, o aparelho portátil é a nova solução para acabar com os germes das residências. Podendo substituir, com eficácia, o cloro e a água sanitária, por exemplo. Também pode ser útil nos locais que exigem limpeza constante, como restaurantes, metrôs, prédios de grandes companhias.
A tecnologia, patenteada de eletrólise, utiliza água da torneira para desenvolver ozônio, ou seja, converte H2O em O3, uma molécula capaz de eliminar até 99,9% das bactérias, segundo a empresa.
Franke é a desenvolvedora especializada em sistemas inteligentes para cozinhas domésticas. Inclusive, segundo o site Springwise, o Eco3Spray atende aos padrões de vigilância sanitária norte-americana (FDA) para ambientes em que se trabalha com alimentos.
Veja abaixo mais informações sobre o equipamento:
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=8cjHowPyLCQ
Redação CicloVivo