sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Lobão traz Olavo de Carvalho e Rodrigo Constantino, ao vivo e em cores

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Mídia Sem Máscara - A cólera dos imbecis

Mídia Sem Máscara - A cólera dos imbecis

Ambientalismo ameaça a saúde dos brasileiros,br /a fauna, flora, cultivos e cultura do País

Ambientalismo ameaça a saúde dos brasileiros,br /a fauna, flora, cultivos e cultura do País

Mídia Sem Máscara - Pedofilia: ONU concede credencial ao Instituto Kinsey

Mídia Sem Máscara - Pedofilia: ONU concede credencial ao Instituto Kinsey



Um grupo acadêmico cuja pesquisa foi obtida de pedófilos e lançou a revolução sexual nos EUA recebeu credenciamento da ONU.
O infame Relatório Kinsey foi a base para afrouxar atitudes e penas para crimes sexuais contra mulheres e crianças, e para promover abrangente educação sexual que ensina crianças pequenas acerca de atos sexuais.
Nesta semana o Instituto Kinsey foi diante do comitê da ONU que credencia grupos para participar da ONU no final de janeiro. Isso chega num momento em que grupos pró-aborto estão fazendo campanhas para que abrangente educação sexual seja uma parte importante da agenda de políticas e trabalho de desenvolvimento da ONU.
Alfred Kinsey afirmava que crianças são sexuais desde a infância. Suas fontes principais eram homens adultos que registravam detalhes acerca de seus contatos sexuais com crianças para seu livro “Sexual Behavior in the Human Male” (Conduta Sexual no Macho Humano).
Certo homem forneceu a Kinsey detalhes de seu abuso de 1917 a 1948, mostrados na Tabela 34 do livro de Kinsey. Registra o número de “orgasmos” em certos períodos de tempo de crianças de 5 meses a 14 anos.
Orgasmo é definido como “convulsões violentas,” “gemidos, ou choros mais violentos, às vezes com abundância de lágrimas (principalmente entre crianças mais novas),” “dor excruciante,” “lutará para se afastar do parceiro e poderá fazer tentativas violentas de evitar o clímax, embora obtenha claro prazer da situação.”
Outra fonte de Kinsey começando em 1943 — durante a 2ª Guerra Mundial — era um oficial nazista alemão, Fritz von Balluseck, que em 1957 foi condenado por abuso sexual de crianças por mais de 30 anos. O juiz teria dito: “Tive a impressão de que você chegou às crianças a fim de impressionar Kinsey e lhe entregar material.”
Kinsey afirmou que 95 por cento dos homens cometiam crimes sexuais, de modo que a sociedade deveria redefinir o que era “normal” e reduzir as penas de crimes sexuais. Ele testificava em favor de estupradores de crianças e seu trabalho ajudou a mudar as leis, tornando-as tolerantes para crimes sexuais.
“É claro, sabíamos quando entrevistávamos os pedófilos que eles continuariam sua atividade, mas não fazíamos nada sobre isso,” Paul Gebhard, sócio de Kinsey, disse ao jornal. “Não teríamos nenhuma pesquisa se os entregássemos [às autoridades].”
Gebhard, que se tornou diretor do Instituto Kinsey, mais tarde disse: “Era ilegal e sabíamos que era ilegal e é por isso que muita gente está furiosa.”
Kinseu assegurava a “seus informantes que eles ficariam no anonimato” e evitava “todo juízo de valor em relação à conduta deles,” declarou John Bancroft, diretor do Instituto Kinsey.
Certa vítima de um estuprador de crianças ligado a Kinsey se apresentou. Quando “Esther White” (um pseudônimo) tinha 9 anos, ela encontrou uma folha de papel “e meu pai estava selecionando coisas que ele estava fazendo comigo.” Depois que Kinsey entrevistou Esther, ele entregou ao avô dela um cheque de cerca de 6.000 dólares.
Em 1964, o Instituto Kinsey lançou SIECUS para promover a ideologia de Kinsey por meio da educação sexual. SIECUS já tem reconhecimento da ONU e se tornou muito influente ali. A Educação Sexual Abrangente de SIECUS ensina crianças de 5 anos acerca da masturbação e do envolvimento em conduta sexual com outros para mostrar carinho.
O Instituto Kinsey fornece bolsas de estudo honrando John Money, um pioneiro da “identidade de gênero” e responsável pela operação de mudança de sexo de um bebê contada no livro “The Boy Who Was Raised As a Girl” (O Menino que Foi Criado como Menina). O menino acabou cometendo suicídio. A clínica de identidade de gênero de Money no Hospital Johns Hopkins foi fechada por seu sucessor.
A organização homossexual ILGA perdeu seu credenciamento na ONU em 1993 devido às suas ligações com grupos que promovem a pedofilia.
Um documento vazado pelo WikiLeaks intitulado “Certificação da Pedofilia” mostra que os EUA conduziram uma “análise detalhada” em 2010 e agências da ONU certificaram que ninguém havia credenciado nenhuma organização que promove ou desculpa a pedofilia.


Tradução: Julio Severo
Fonte: Friday Fax

Das manifestações violentamente pacíficas

http://www.midiasemmascara.org/artigos/movimento-revolucionario/14890-das-manifestacoes-violentamente-pacificas.html#.Uuasi2pUaAE.gmail

Das manifestações violentamente pacíficas
molotovQuantas vezes você já ouviu no noticiário que uma “manifestação pacífica acaba em violência”? Várias vezes, pelo menos nos últimos meses. E há uma razão para ser assim.
Abro o jornal e leio a reportagem sobre a manifestação do Passe-Livre em Londrina, que, como era de se esperar, acabou em confusão, depredação do patrimônio público, destruição dos ônibus e muita correria. A manifestação era pacífica, e como toda manifestação pacífica neste país de Dilma, a paz só não foi observada porque alguns elementos se infiltraram no movimento para promover a baderna. Fica a pergunta: quem eram esses elementos?
Se para alguma coisa me serviu a universidade, foi para compreender melhor como funcionam, por dentro, essas manifestações pacíficas que terminam invariavelmente em pancadaria e vandalismo.
Vai um breve testemunho pessoal para a instrução dos pequenos.
O ano era 2000, e eu era um feliz estudante da USP. Cursava Ciências Sociais e morava no CRUSP. Tinha tudo para ser o perfeito idiota latino-americano, mas já na época preferia ser apenas idiota, incapaz da perfeição e refratário à ostentação da minha latino-americanidade. As festividades em comemoração aos 500 anos do Descobrimento se aproximavam e com elas os protestos por todo o país. O DCE da USP não poderia ficar de fora e marcou sua manifestação “contra os 500 anos”. Como os 500 anos eram uma entidade por demais abstrata, o movimento manifesteiro precisava de um alvo mais concreto, que foi gentilmente cedido pela Rede Globo, na forma do seu famoso Relógio dos 500 anos. O leitor mais jovem talvez não lembre que raio de coisa ridícula era esse relógio, projetado por Hans Donner e instalado Brasil afora, mas o Google poderá ajudá-lo nesse exercício de consciência histórica. Procure aí. A manifestação pacífica foi marcada para o dia 22 de fevereiro. Começaria no Largo de Pinheiro e marcharia até a praça Luís Carlos Paraná, na Av. Faria Lima, onde se encontrava o símbolo do imperialismo, o Relógio da Globo. E o McDonalds da esquina…
E aqui faço um pequeno parêntese para a digressão sobre o espírito da época. Os estudantes então andavam inquietos, crentes na inevitável vitória da luta anti-neoliberal. No ano anterior, em 1999, a Rodada do Milênio havia sido interrompida pelo que ficou conhecido no folclore esquerdista como “A batalha de Seattle”. Organizações do mundo inteiro (não faltaram nossos MST, CUT e PT) viajaram para a terra do Nirvana, a banda, com o objetivo de tocar o terror e impedir as negociações do Grande Capital e da globalização excludente, defendendo uma sociedade mais justa, igualitária, etc, etc, etc. E o pau quebrou. E foi porrada para todo lado. E os manifestantes perceberam, sobretudo aqueles ligados ao grupo ATTAC, da França, que podiam enfrentar a polícia utilizando algumas táticas de combate de rua. Meses depois, o ATTAC, cuja filial brasileira operava na Unesp, exportava para todo o mundo subdesenvolvido cursos de “guerrilha urbana” e táticas para combater e se defender de tropas de choque. O estacionamento da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP era frequentemente utilizado, em finais de semana, como campo de treinamento. Se não me falha a memória, o então presidente do Grêmio da FAU era filho de uma das lideranças nacionais do MST. E o professor João Sette Whitaker já era uma espécie de guru anti-globalista entre os alunos de arquitetura. O sucesso da revolta de Seattle fazia a cabeça dos estudantes, e muitos se sentiam como Marighellas pós-modernos. No início de janeiro daquele ano, a Confederação das Nacionalidades Indígenas do Equador, organização membro do Foro de São Paulo, havia dado um golpe de Estado, liderado pelo coronel comunista Lucio Gutiérrez, que prometia adotar o modelo chavista na condução da economia e das coisas públicas. O golpe fracassaria dali a uns dias, mas o clima de “agora vai” empolgava a esquerda continental. Além da euforia internacional, os hormônios revolucionários paulistanos eram excitados pelo desgoverno do prefeito Celso Pitta, herdeiro de Paulo Maluf, atual aliado político do PT. A Revolução começaria com o Relógio da Globo, faria uma pausa no McDonalds e acabaria com a decapitação de Pitta. Nessa época, o grito “Fora já, fora já daqui, o FHC e o FMI” era poesia mais revolucionária do que ver a banda passar cantando coisas de amor. Fecho o parêntese.
No dia 22 de fevereiro, reuniram-se no Largo de Pinheiros umas mil pessoas, a maioria estudantes secundaristas e alunos da USP, arrebanhados pelo DCE. A organização, na verdade, ficava por conta do Comitê Brasil Outros 500, que prometia acabar com a festa de aniversário de descobrimento de Vera Cruz. O Sintusp, claro, dava sua força, fornecendo ônibus, caminhão de som, sanduíche de mortadela e coca-cola. Havia uma meia dúzia de anarco-punks, vindos provavelmente da Galeria do Rock. E eu, observando tudo e morrendo de sede naquele calor desgraçado.
Eu não tinha nada contra os 500 anos, uma realidade cronológica que protesto algum poderia revogar. Nem contra o Relógio. Muito menos simpatizava com qualquer coisa revindicada ali. Poderia dizer que meu interesse era meramente antropológico, mas estaria mentindo. A verdade é que eu estava no meio daquela bagunça só porque gostava da bagunça em si e porque não tinha nada melhor para fazer no CRUSP, que a essa hora deveria estar um deserto. Sem convicção necessária para tomar parte no coro (Fora já, fora já daqui…) e sem ânimo exigido para caminhar até o Relógio na Faria Lima, resolvi me pendurar no caminhão de som, onde, além de água fresca, eu tinha uma visão privilegiada da muvuca.
Começa a marcha. Algum sindicalista grita uma palavra de ordem. A garotada pinta a cara. Os punks vão na frente. Há uma movimentação mais impaciente da polícia, que escolta a manifestação até a praça. O caminhão de som estaciona próximo ao Relógio. A polícia faz um cordão de isolamento para proteger o monstrengo de Hans Donner. Mas a manifestação é pacífica, e ninguém vai fazer coisa alguma, exceto chamar a polícia de fascista. Tudo muito tranquilo. Até que membros do DCE, que estavam no caminhão de som e que eram os organizadores da passeata, começam a retirar de caixas e a distribuir aos manifestantes, sobretudo aos punks, balões com tinta e garrafas com gasolina. Tudo na moita, para não chamar atenção. Começa a provocação. Os manifestantes se aproximam do cordão de isolamento, a polícia tenta afastá-los. Alguém joga um balão de tinta por sobre os policiais e atinge o relógio. A multidão vibra. Outro balão. A multidão delira. Alguns policiais tentam dispersar os baloneiros. A multidão corre. Começa a chuva de balões. De pedras. De paus. Em cima do caminhão de som, uma garota do DCE, cínica e histericamente, grita: “sem violência, sem violência”. A polícia parte para cima da multidão e desfaz o cordão de isolamento. Correria e cacetada para todo lado. “Sem violência, sem violência”. Alguns anarco-punks se aproveitam da confusão e tentam botar fogo no Relógio. Primeiro jogam molotovs, que falham. Depois espalham a gasolina recebida do DCE e atiram fogo, mas as chamas pequeno-burguesas não contribuem para o avanço da revolução e se apagam, deixando o falo hansdônnico intacto. Tum, tum, tum. Chega o Choque. O bagulho fica lôco, e o McDonalds, cheio de estudantes escondidos até debaixo da mesa. A tropa de choque fecha uma esquina. Fecha outra. Toma a avenida. Encurrala a multidão mais valente contra a parede de um edifício e começa a fazer o que faz de melhor: botar juízo em vagabundo. Nisso já têm bomba de fumaça, gás lacrimogênio, o diabo. A menina do DCE sumiu do caminhão de som, que está abandonado naquela paisagem mais ou menos de guerra civil, mais ou menos de forró universitário. Um e outro punk, um e outro estudante foram presos. São os presos políticos, cuja libertação será exigida pelo Comitê Brasil Outros 500, ao longo da semana.
No dia seguinte, em declaração ao Estado de São Paulo, lideranças do DCE dizem que o movimento era pacífico, mas que fora infiltrado por algumas pessoas desejosas de descaracterizar a manifestação. A foto de um punk incendiando umas folhas de papel decide o bode expiatório: tudo corria bem, até que os punks resolveram provocar a polícia e começar a confusão. Jornalistas e estudantes ficam satisfeitos com a versão, o DCE sai limpo da história, mesmo tendo sido ele, desde o começo, quem planejara todo o ato e seus desdobramentos mais violentos, e promete outra manifestação pacífica para a próxima semana, na Avenida Paulista.
Pego meu sanduíche de mortadela e minha coca-cola com o funcionário do Sintusp. Caminho até o Largo de Pinheiros e tomo o ônibus de volta para o Butantã. Desce o pano. Fim da farsa.


Publicado originalmente no blog do autor.
Silvio Grimaldo de Camargo é sociólogo e editor.

Vamos educar contra o aborto – Ben Carson, Brit Hume, Ann Coulter e Papa Francisco contra Barack Obama

Vamos educar contra o aborto – Ben Carson, Brit Hume, Ann Coulter e Papa Francisco contra Barack Obama

ISABELLA TREVISANI e SEU DESABAFO APÓS SER DESAFIADA